Posts Tagged ‘Mulher carioca’

h1

Teatro filmado

05/05/2015
Marcelo Escorel e Orã Figueiredo

Marcelo Escorel e Orã Figueiredo

Hoje tem A mulher carioca aos 22 anos na Mostra de Teatro Brasileiro Filmado. O evento acontece no Sesc Copacabana às 18h e faz parte do 3º Encontro Questão de Crítica. Após a exibição, haverá palestra com a professora Angela Leite Lopes.

Anúncios
h1

Aos 20 anos

22/11/2010

Este mês, a Mulher carioca completou 20 anos. Era 10 de novembro de 1990 quando a equipe comandada por Aderbal estreava o primeiro romance-em-cena. A ocupação do Teatro Glácio Gill e a criação do Centro de Demolição e Construção do Espetáculo são histórias paralelas, que se confundem com o nascimento dessa poética criada por Freire-Filho. Com duração de 4h40min, a empreitada teve apresentações no Brasil e no exterior. Estavam no elenco original, os jovens destemidos Candido Damm, Duda Mamberti, Gillray Coutinho, Malu Valle, Marcello Escorel, Orã Figueiredo, Suzana Saldanha e Thiago Justino.

h1

Figurinista oficial

15/04/2010

Biza Vianna

Biza Vianna assinou o figurino dos três romances-em-cena. No meio de uma agenda lotadíssima, ela conversou sobre seu trabalho nos três espetáculos: A mulher carioca, O que diz Molero e O púcaro búlgaro. À frente da programação do delicioso Espaço Tom Jobim, Biza se inspirou no modelo adotado por Aderbal na época da ocupação do Teatro Gláucio Gill (em Copacabana). Com o Centro de Demolição e Construção do Espetáculo, o diretor implantou um modelo multi-funcional ao teatro.Abaixo, fotos do Espaço Tom Jobim, que fica no Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

A atividade no Centro de Demolição teve ares de intensivão para a artista: “Foram cinco anos que correspondem a quinze na minha carreira como figurinista, como mulher de teatro, como transformação. E tudo o que aprendi trouxe pra cá, pro Espaço Tom Jobim”, avalia Biza.

h1

Púcaro uruguaio

28/09/2009

pucaro/reproduçãoAmanhã e quarta, O púcaro búlgaro aterrissa no Uruguai. O espetáculo está na programação do Festival Internacional de Artes Cênicas do Uruguai, evento que vai até 3 de outubro em Montevidéu. A matéria do El País destaca a presença constante de Aderbal nos palcos uruguaios e lembra a apresentação em 1992 do primeiro romance-em-cena, A mulher carioca.

“Otro viejo visitante que reincide es el brasileño Aderbal Freire Filho, un artista valioso que ha realizado numerosos espectáculos en Montevideo, entre ellos A mulher carioca a os 22 anos, que trajo en 1992. El artista presentará O pucaro bulgaro, que irá en el Teatro Victoria el martes y miércoles que vienen.”

No elenco do Púcaro estão atores como Gillray Coutinho, Ísio Ghelman (foto) e Cândido Damm.

h1

Ensaios de um livro

08/08/2009

duda mamberti/foto:Renata Caldas

Depois da temporada européia com  a Sutil Cia de Teatro, Duda Mamberti aterrisou em Brasília para apresentar Educação Sentimental do Vampiro (de Dalton Trevisan). Aproveitei a passagem do ator pela cidade para conversar sobre sua experiência no primeiro romance-em-cena, A mulher carioca aos 22 anos (1990).

“Não estávamos ensaiando uma pecinha qualquer. Estávamos ensaiando um livro. Era uma linguagem que não existia”, lembra Duda, que começou a ensaiar com oito meses de processo em andamento. O trabalho de descoberta da linguagem era tão intenso que, nesses oito meses, o grupo tinha avançado somente 30 páginas do romance de João de Minas.

Assim com outros atores entrevistados, Mamberti situa A mulher carioca como um divisor de águas na sua carreira. “O principal foi trabalhar com Aderbal. Ele te dá muito estofo. Trabalha o ator”. Além do crescimento como ator, Mamberti considera o trabalho enriquecedor pelas amizades de elenco: “Tenho essas sete pessoas como irmãos de palco”.

h1

raridades da Mulher carioca

20/07/2009

arquivo josé dias

Graças à organização do cenógrafo José Dias, a pesquisa do romance-em-cena teve acesso aos desenhos originais feitos para A mulher carioca aos 22 anos. A mesa giratória, a penteadeira, o banheiro… está tudo lá, nos papéis amarelados pelo tempo. Os móveis tinham rodinhas em cada pé e grandes rodas de bicicleta nas laterais. O material foi escaneado e será parte dos anexos do trabalho. Nosso muito obrigado ao professor José Dias.

Só para lembrar: Dias assinou o projeto de reforma do Teatro Glaucio Gill juntamente com Aderbal Freire-Filho. O espaço multi-uso foi sede das atividades do Centro de Demolição e Construção do Espetáculo.

h1

João de Minas na USP

25/06/2009

Olha aí capas das três edições de A mulher carioca. As imagens foram extraídas da dissertação de mestrado feita na USP sobre o escritor João de Minas. Escrita por Leandro Antonio de Almeida, Dos sertões desconhecidos às cidades corrompidas: um estudo sobre a obra de João de Minas, é bem recente. Foi feita no ano passado. O pósfácio de Aderbal – Quem é esse cara? – da edição de 1999 (Dantes Editora) é bastante citado no trabalho, principalmente na parte biográfica do autor.A dissertação tem 232 páginas. Os trabalhos de mestrado e doutorado da USP podem ser buscados no site da universidade. www.usp.br

reproduçãoEdição de 1934  reproduçãoEdição de 1937

reprodução

Edição de 1999