Posts Tagged ‘claudio mendes’

h1

sabor da palavra

06/04/2009

claudio mendes Figura de teatro, o ator Cláudio Mendes se desdobrou em mais de trinta personagens em O que diz Molero. Nos papéis de Austin e Peida Gadocha, ele considera Molero o mais rico dos três romances-em-cena. “É um extrato concentrado do romance-em-cena”, avalia. Para o ator, a experiência de ter feito um romance-em-cena deixou como herança o sabor da palavra literária.

No meio da galera que frequentava o Centro de Demolição, o ator teve oportunidade de assistir a um ensaio geral de A mulher carioca: “Depois da estreia vi várias versões e gostaria ter visto muito mais. Foi o trabalho matriz para muitos outros, uma proposta cênica inovadora”.

Na temporada de Portugal, Claudinho (como é conhecido pelos amigos) lembra a emocionante apresentação de Molero ao autor Dinis Machado. “É uma emoção na minha vida ter feito o espetáculo para o Dinis. Foi uma comoção”.

Apresentação e despedida: Dinis Machado e Cláudio Mendes em Portugal, onde o romance é best-seller

Apresentação e despedida: Dinis Machado e Cláudio Mendes em Portugal, onde Molero é best-seller

h1

Pela remontagem

27/03/2009

orã figueiredoOrã Figueiredo anda se desdobrando em vários. Diariamente, ensaia o próximo trabalho de Aderbal: Moby Dick. O clássico do norte-americano Melville não será mais um puro romance-em-cena, mas sua adaptação conta com técnicas dessa linguagem.  Orã também se dedica a gravações finais da nova temporada de A turma do Pererê (TV Brasil), em que interpreta Seu Nenem. Pra completar, volta a  trabalhar com Mauro Lima (de Meu nome não é Johnny) em Reis e ratos, no papel do fazendeiro Esmeraldo.

Na entrevista para este projeto, Orã defendeu o remake dos três espetáculos do romance-em-cena: A mulher carioca aos 22 anos, O que diz Molero e O púcaro búlgaro. “Sou a favor da remontagem nas versões mais curtas e em condições boas de trabalho: fazer do jeito que foi, a mesma produção, com elenco original. Cada espetáculo é um patrimônio de cada um. Quem fez a Mulher carioca tem amor pelo que fez, é co-responsavel pela criação, pelo resultado daquilo. Todo mundo colaborou, arriscou, sem saber onde ia parar.”

Orã Figueiredo, Cláudio Mendes e Chico Diaz em O que diz Molero

Orã Figueiredo, Cláudio Mendes e Chico Diaz em O que diz Molero