Archive for julho \30\UTC 2009

h1

mais Moby Dick

30/07/2009
Os aventureiros do barco Pequod. Foto: Guga Melgar

Os aventureiros do navio Pequod. Foto: Guga Melgar

A saga do Capitão Ahab e sua tripulação pode ser vista de quinta a domingo no Rio de Janeiro. Adaptado e dirigido por Aderbal Freire-Filho, o espetáculo está no Teatro Poeira.Embarcam na aventura em busca da baleia Moby Dick, os atores Chico Diaz, Orã Figueiredo, Ísio Ghelman e André Mattos.

A montagem desse clássico de Herman Melville é um programão pra quem gosta de bom teatro e boa literatura.

IMPERDÍVEL. Quinta, sexta e sábado, às 21h. Domingo é mais cedo, às 19h. O Teatro Poeira fica na R. São João Batista, em Botafogo.

Anúncios
h1

Dois mil acessos

26/07/2009

2000Pessoal, no começo da semana o blog do romance-em-cena ultrapassou a marca de dois mil acessos. É mais do que eu esperava, já que não tenho uma vida muito conectada. Estou fora do Orkut, twitter, facebook e essas coisas. Muitas visitas surgiram por sites de buscas, com grande interesse pelo diretor Aderbal Freire-Filho e outros artistas envolvidos no romance-em-cena.

Com o blog, pessoas de Porto Alegre, Curitiba, Salvador, Brasília, Rio e São Paulo puderam manifestar curiosidade pela pesquisa e reforçar a dimensão dessa linguagem. Tem também gente que nos acessa de Portugal, Estados Unidos, Dinamarca… Pena que poucos participam da enquete (no alto, à direita). Recebo tb e-mails dos mais tímidos, que preferem não publicar comentários. Me pediram pra incluir aquele quadrinho de seguidores do blog, mas não consegui colocar esse recurso ainda.

Quero agradecer ao meu irmão André Caldas, que meu deu uma ajuda e passou umas manhas de blogueiro (ainda preciso de umas aulinhas), ao amigão Anderson Borges (grande designer!), que fez o cabeçalho e sugeriu a criação deste blog e  ao coleguinha Sérgio Maggio, que sempre nos cita em seu cricriemcena. Obrigada ao diretor Aderbal, por permitir esse mergulho na poética que criou, e à Funarte. 🙂

Faltou alguém? Você. Um abração, Renata Caldas

h1

Poeira em alto-mar (II)

22/07/2009

MD

MD

Tive a chance de ver um ensaio de Moby Dick. Sei que é superficial falar que está tudo lindo, mas o que quero dizer mesmo é que… está tudo lindo. Aderbal nos conduz às profundezas de uma guerra particular, travada entre o Capitão Ahab e a Baleia branca, o leviatã. A caçada ao monstro do mar conta com os bravos marinheiros do Pequod.

Estreia nesta quinta no charmoso Teatro Poeira. Quem quiser, pode deixar comentários sobre o espetáculo aqui no blog.

h1

raridades da Mulher carioca

20/07/2009

arquivo josé dias

Graças à organização do cenógrafo José Dias, a pesquisa do romance-em-cena teve acesso aos desenhos originais feitos para A mulher carioca aos 22 anos. A mesa giratória, a penteadeira, o banheiro… está tudo lá, nos papéis amarelados pelo tempo. Os móveis tinham rodinhas em cada pé e grandes rodas de bicicleta nas laterais. O material foi escaneado e será parte dos anexos do trabalho. Nosso muito obrigado ao professor José Dias.

Só para lembrar: Dias assinou o projeto de reforma do Teatro Glaucio Gill juntamente com Aderbal Freire-Filho. O espaço multi-uso foi sede das atividades do Centro de Demolição e Construção do Espetáculo.

h1

O continente negro

13/07/2009
Débora Falabella na foto de Lenise Pinheiro

Débora Falabella em O continente negro. Foto:Lenise Pinheiro

Aproveitando a deixa, lembro de outra peça de Aderbal prestes a entrar em cartaz no Rio. É O continente negro (texto de Marco Antonio De La Parra), com Débora Falabella, Ângelo Antônio e Yara de Novaes. Depois de temporada agitadíssima em Sampa, a montagem pode ser vista de 16 de julho a 02 de agosto na Caixa Cultural – Teatro Nelson Rodrigues. Tem um site com bastante conteúdo pra dar uma olhada: www.ocontinentenegro.com.br

E veja o que diz a página de O continente negro ao apresentar o diretor: “Aderbal já faz parte da história do teatro brasileiro pela criação do gênero teatral Romance-em-Cena”.

h1

Moby Dick estreia dia 23

09/07/2009

Confirmadíssimo. Moby Dick estreia dia 23 de julho no Teatro Poeira (em Botafogo, Rio). O espetáculo é uma adaptação de Aderbal Freire-Filho do romance de Melville. Não se trata de mais um puro romance-em-cena, mas a montagem se vale de técnicas dessa linguagem. No elenco de Moby Dick estão Chico Diaz, Ísio Ghelman, Orã Figueiredo e André Mattos.

Em matéria publicada no JB (assinada por Daniel Schenker – 03/05/2009), o diretor Aderbal diz que precisaria de três dias para montar Moby Dick como romance-em-cena: “– Moby Dick é vasto, monumental. Se romances curtos renderam espetáculos de cinco horas, este precisaria de três dias – brinca Aderbal. – Não quero isto. E nem ficar restrito ao que foi feito nas adaptações para o cinema e a história em quadrinhos, que reduziram o original ao eixo da aventura entre o capitão Ahab e a baleia Moby Dick. Decidi, então, trabalhar com liberdade. Escolhi um início diferente do de Melville, desenvolvi personagens e diminui outros.”

h1

Um minuto para Pina Bausch

03/07/2009

Gente, Pina Bausch morreu na última terça. Como só se ouve falar em Michael Jackson (R.I.P.), pouco foi dito sobre a artista alemã. Soube ontem pelo site da Funarte. Abaixo, matéria da France Presse.

“Coreógrafa e bailarina alemã Pina Bausch morre aos 68 anos

Dançarina era conhecida pelo estilo expressionista único de dança.
Segundo comunicado, ela morreu de câncer cinco dias após diagnóstico.

Da France Presse

Foto: Volker Hartmann/AFP

A bailarina alemã Pina Bausch (Foto: Volker Hartmann/AFP)

A coreógrafa de dança moderna e bailarina alemã Pina Bausch faleceu nesta terça-feira (30), aos 68 anos, informaram à AFP fontes do Tanztheater de Wuppertal (oeste da Alemanha), onde ela estava radicada.

“Pina Bausch faleceu na manhã desta terça-feira no hospital, uma morte repentina, cinco dias depois de ter um câncer diagnosticado”, anunciou a porta-voz do Tanztheater, Ursula Popp. “No domingo passado ainda estava no palco, junto à companhia, na ópera de Wuppertal”, completou.

Seu verdadeiro nome era Josephine Bausch. A fama começou na Metropolitan Opera de Nova York. Era considerada a grande dama da dança contemporânea alemã, com um estilo expressionista único que no início de sua carreira provocou polêmica, antes de ser reconhecido mundialmente.” fonte: G1